Pior pegar linhas reddit

A polarização vai ser (ou já é) a nossa desgraça

2020.04.22 15:59 Dell_Abrin A polarização vai ser (ou já é) a nossa desgraça

WALL OF TEXT AHEAD
Vou tentar ser o mais sensato possível nesse post, por isso randomizei os argumentos que construí e a ordem que cito os fatos pra não ter problemas de maior visibilidade de uns ou outros, vai ser longo, tem TL;DR no fim pra quem quiser, vamos lá:
Bom dia a todos,
Não precisa ser um gênio pra ver que a polarização só aumenta e está tendo efeitos muito sérios na sociedade. O "nós contra eles" fica cada dia mais forte e é cada vez mais o modus operandi das pessoas. Isso não começou agora, vem se arrastando desde tempos pra cá, e pode ser visto nesses vários exemplos, de vários momentos dessa linha do tempo, randomizados:

- Verdevaldo foi convocado e desconvocado pra depor no mesmo dia , o deputado que convocou deu um 180º fodido na própria proposta ao ver que a oposição apoiou e não apresentou nenhuma ressalva. O "nós contra eles" aqui é mto forte, o simples fato dos seus oponentes políticos também almejarem algo é suficiente pro abandono completo de uma proposta. Sem nenhuma análise sobre a validade da questão, nada, se eles querem, eu não quero.
- A polarização do corona , esse é o exemplo mais escancarado e atual. Todos tem interesse em como lidar com o corona, é um problema grande, ambrangente e complexo. Eu vejo que muitos não tem a disposição de argumentar sobre o que é melhor ou pior a ser feito, apenas em defender as suas (ou do seu idolo) ideias de ataque e atacar as ideias dos opositores. Isso sem contar que muitas vezes as ideias não nascem das próprias pessoas, são na realidade um relay de algum político/ideologia, sem pensamento crítico e nem mesmo alguma análise se aquilo se aplica a própria vida da pessoa e da sociedade. Nem vou falar muito sobre isso pq é fkin óbivo.
- Esse post, feito neste sub e no outro, onde uma agressão acontece, em um suposto protesto, um ato repudiável por qualquer ser humano que deseja viver em sociedade. Não demorou pra aparecer gente defendendo essa ou aquela ideologia/político e etc, nos dois subs. Exemplo fodido de que tem algo profundamente errado.
- O reaquecimento da discussão do Homeschooling , a qual já tinha sido polarizada antes, com pouco foco na discussão sobre o mérito da qualidade do ensino e a experiência que a criança/adolescente teria (o que deveria ser o principal a ser discutido, afinal estamos falando de ensino), mas nas implicações políticas do fato. Lamentavelmente, cada vez mais a discussão profunda, complexa e muito importante vem se tornando um "nós contra eles".
Em resumo, hoje em dia a importância das discussões corre atrás dos rótulos políticos envolvidos, e menos das questões em si, suas implicações práticas e qual é o melhor resultado pra sociedade. Isso vem entrelaçado com os políticos da cena atual, e suas cores. A idolatria a personagens dessa cena é peça chave, e talvez a mais importante, desse tabuleiro. Leia-se aqui TEM GENTE IDOLATRANDO POLÍTICO E SEGUINDO IDEOLOGIA IGUAL RELIGIÃO.
Pouco se ouve alguem dizer "eu não tenho a resposta pra isso", "eu não sei se é tão simples assim", "preciso pensar melhor sobre isso", as pessoas tendem a pegar a resposta pronta praquilo na database de sua ideologia/político de estimação e jogam na conversa. Sem pensamento crítico, sem análise, nada. Triste demais.
********* TRANSIÇÃO DE FATOS PARA ---> OPINIÕES DO AUTOR ********\*
Eu não deveria lembrar ninguém disso, deveria ser o padrão, estar tatuado na mente de todos, mas vamos lá:
POLITICOS NÃO DEVEM SER IDOLATRADOS JAMAIS. Independente da esfera ser municipal, estadual, federal, independente de quem está no poder, independente dos problemas que enfrentamos, independente de tudo.
Se vc acha que um político fez algo bom e que merece reconhecimento, vai uma frase aí bem conhecida, "não fez mais que a obrigação". O salário no Executivo, Legislativo e Judiciário já é muito maior que a média, cheio de regalias que a maioria aqui jamais vai ter, com assessoria pra tudo. Quem paga por tudo isso somos eu e vc, a nossa função é de cobrar sempre, e escolher pensando no nosso próprio bem e da sociedade que queremos ver. Eu nem preciso citar a corrupção sistêmica por trás disso tudo.
Nós vamos ruir como sociedade se isso continuar assim. Não tem como manter uma soceidade segura, próspera e avançando se tudo depender de rótulos que colocam em vc por causa do voto que vc exerce no jogo democrático. Teve brigas de família, teve término de namoro, sociedade acabada em empresa, teve um monte de merda espalhada por aí sem a menor justificativa.
É incrivel cara, surreal pensar que perguntar pra alguém sobre como a pessoa se posiciona em um debate sobre:
ESCOLHA APENAS UM: aborto ou economia ou estado ou armas ou o cacete...
... é suficiente pra rotular ela e, ousadamente, prever como é a opinião dela em todos os outros assuntos.
É como se agente tivesse ignorado a capacidade das pessoas pensarem separadamente sobre cada assunto desses, e automaticamente metesse uma camisa de time nela por causa que ela falou 1% do que pensa sobre o mundo.
Antes que venham me chamar de "ain, isentão, comunista, gado, bolsonarista, fascista, nazista etc etc", deixo aqui outra epifania pra vcs:
É possível sim alguém pensar sobre as grandes questões da sociedade de maneira isolada. Eu posso sim ter uma opinião sobre os 4 assuntos acima, bem formulada e embasada, que não me coloca em nenhum time. É possivel sim eu não me identificar com nenhum político, mas ainda defender meus interesses e crenças através do voto, afinal, temos que escolher vários representantes em 3 esferas e 3 poderes.
Garanto que vai ter gente me rotulando e xingando nos comentários, atribuindo que sou isso ou aquilo. Pra vcs, desejo-lhes boas vindas ao mundo real, onde tudo é difícil e complexo, e o buraco sempre é mais embaixo.
TL;DR: A polarização só aumenta, de várias maneiras, e isso é muito pergioso pra integridade da sociedade como conhecemos. Acredito que isso é um efeito da idolatria que umas pessoas atribuem a outras, leia-se fanatismo político. Acredito tmb que isso é errado, e que não deveria existir esse tipo de comportamento.
submitted by Dell_Abrin to brasilivre [link] [comments]


2019.03.19 02:06 nomealeatorio1 [BAN METADrama] Obrigado pelo Empurrão, adeus r/Brasil

Para quem tiver curiosidade, o post que tomei BAN METADRAMA foi isso aqui:
Flag: [META] Titulo : Acho que as eleições para a moderação ainda não acabaram, o ritmo ainda continua frenético.
[Falta de Civilidade]
Quantos comentários deletados(pela moderação) e reports um usuário precisa tomar para tomar ban de 30/dias, e perma ban? ( O historico do individuo abaixo tem varios comentário pesados que parecem foram deletados ou removidos, mas ele continua na ativa.)
Dá uma checada no histórico do usuário abaixo nos link, por favor moderação.
Um comentário que acessando o histórico dele ainda é visivel , mas acessando o link do comentário aparece que "Comment removed by moderator":
A verdade, na minha experiência, é que infelizmente, se tu quer ter arma... tu ainda um dia vai bater na sua esposa, ou algo pior.
__=____=____
O meu argumento não é que alguém violento com uma arma se torna mais perigoso (o que é verdade)
O meu argumento é que se tu tem uma arma em casa, tem uma change mto maior de tu bater na sua esposa.
Pois é uma questão de índole. Quem tem arma, é geralmente o publico que bate na esposa. Existe uma grande intersecção entre estas duas populações, e não é por acaso.
https://np.reddit.com/brasil/comments/b12mt8/eu_adoraria_ter_uma_arma_o_que_eu_n%C3%A3o_quero_%C3%A9_que/eijd158/
Varios comentário que facilmente rompe a linha da falta de civilidade, e xinga a sociedade de doente :
Não foi pq o bolsonaro foi eleito.
O bolsonaro foi eleito por causa disso.
Sociedade doente.
https://np.reddit.com/brasil/comments/b0mblmegathread_ataque_a_escola_em_suzano/eifls7d/
O maior interesse do Bolsonaro receber a facada era do proprio Bolsonaro. Inclusive talvez seja este o motivo pelo qual nada mais se ouve falar dele.
https://np.reddit.com/brasil/comments/b0a6fu/quem_mandou_adelio_matar_bolsonaro/eid4446/
Esse post será downvotado pq 99% do reddit tem insegurança sexual, sinto mto
https://np.reddit.com/brasil/comments/agn76y/isso_n%C3%A3o_%C3%A9_um_p%C3%AAnis/ee7gnok/
Bônus Track, ganhei uma ofensa gratuita, de um usuário diferente do acima:
Você é burro e não é pouco não.
https://np.reddit.com/brasil/comments/b2mmtb/garoto_de_12_anos_sai_para_fazer_um_lanche_leva/eiu6c4x/
_______________________@_____@________________________
Voltando ao assunto,o ultimo comentário que recebi antes do ban foi esse:
Você é burro e não é pouco não.
https://imgur.com/a/IEC8gKe
Ai em sequência criei um POST com tag META e tomei ban por DRAMA.
Acompanhar o Brasil valia apena por algumas coisas, está bem tóxico desde as eleições e esse foi um empurrãozinho para eu cair fora ( a moderação também ajudou é só pegar o histórico de alguns usuários, ai você se pergunta como esse cara ainda posta aqui?).
Nenhum comentário sequer da moderação( nem no post e boxmail) foi bem seco hahaha, nada só uma mensagem automatica:
You have been banned from participating in brasil. You can still view and subscribe to brasil, but you won't be able to post or comment.
Note from the moderators:
Metadrama
If you have a question regarding your ban, you can contact the moderator team for brasil by replying to this message.
Reminder from the Reddit staff: If you use another account to circumvent this subreddit ban, that will be considered a violation of the Content Policy and can result in your account being suspended from the site as a whole.
Parabéns ao u/OrvalhoDeCaralho e u/soviet-sexual conseguiram me banir em poucos comentários, sempre tentei evitar os post de política ao maximo, e cai no bait .
_________________@_____________________@________________
Fica aqui o meu Adeus ao Brasil e sua lógica que sempre tentei entender.
Menções honrrosas para alguns usuários sóbrios como u/DrHelminto e rubemll , e alguns outros usuários que me falha memória agora .
submitted by nomealeatorio1 to brasil_drama [link] [comments]


2018.12.13 21:36 CaPeBaLo Existe alguma forma de aumentarmos o controle que temos sobre nossos próprios dados?

NL;NL: nome, número de telefone, endereço residencial, e-mail, número e cópias de RG, CPF, CNH... Todos esses dados e muitos outros rolam soltos na internet para quem quiser e puder pagar por eles. Não apenas os dados utilizados para fazer o cadastro na farmácia e ganhar um desconto ou para comprar aquele produto online na Black Friday mas também os dados utilizados no cadastro bancário, da operadora de celular, das companhias de saneamento básico e energia elétrica, de serviços oficiais do governo, entre outros, não dá pra fugir. E esses dados podem ser utilizados tanto para coisas "apenas" chatas, como ligações de telemarketing, quanto para abrir empresas e praticar crimes. Com isso em mente, há alguma maneira de ter maior controle do que é feito com esses dados e evitar que sejam usados por terceiros e de forma maliciosa?
Comentei aqui faz um tempo que minha mãe se aposentou e, no exato momento que a aposentadoria saiu, ela começou a receber ligações, sms e mensagens no WhatsApp referentes a créditos pré aprovados, consignado e afins, de diversas empresas diferentes. Depois de uns dois dias passei a ser perturbado, também, uma vez que por muito tempo minha linha esteve em nome dela. O mesmo para nosso telefone residencial e o celular do meu pai, bem como o telefone do serviço da minha mãe. Eram cerca de 20 perturbações, entre ligações, sms e mensagens de WhatsApp, por dia, isso só no meu celular (pelo menos pra mim a coisa está de boa agora - a maioria eu bloqueei direto, outros eu atendi e falei que aquele número não era dela ou que ela tava recebendo muita ligação desse tipo e que não tinha interesse). Não é raro, também, vermos casos de pessoas que vão fazer um empréstimo ou sei lá o que, o banco recusa porque está negativada e, quando vai ver, a pessoa descobre que tem uma empresa, em seu nome, cheia de dívidas.
Sei que uma solução é simplesmente não ficar passando esses dados em qualquer lugar, mas não sejamos ingênuos em achar que apenas a farmácia que te dá um desconto em troca de um cadastro ou aquela loja online vendem nossos dados - basta um funcionário mal intencionado e pronto, todas as informações que você forneceu ao governo para cadastro em algum serviço, ao banco, à sua operadora de celular, às companhias de água e esgoto e de energia elétrica, para citar as mais indispensáveis, vão parar nas mãos de sabe-se lá quem.
Me espanta como aparentemente é fácil abrir uma empresa em nome de terceiros. Acho sim que devemos lutar contra a burocracia, algo que não só atrasa a vida do cidadão como também o País, mas não seria o caso de se pensar em alguma forma de "dificultar" esse processo? Não sei, torná-lo mais burocrático, torná-lo menos burocrático mas mais seguro... Como eu disse, "não sei" e esse é justamente o intuito desse post - discutir sobre isso.
O mesmo vale para o número do telefone. Já tenho há alguns anos pelo menos meu celular e o telefone residencial cadastrados no Procon, numa plataforma que teoricamente informa empresas que você não quer receber ligações de telemarketing e afins, mas pergunta se isso funciona. Só nos últimos 2 anos (e excluo aqui esse período pós aposentadoria que citei) já tive que bloquear dezenas de números chatos. Cheguei a usar o Truecaller, mas admito que deixou bastante a desejar e abandonei depois de poucos dias (além da questão de que estamos dando acesso a mais uma empresa). Ainda, o caminho não deveria ser esse, não deveríamos ter que fazer tudo isso para ter paz - a paz deveria ser a regra e, se você quer ser perturbado, aí sim você vai atrás dos meios para tal.
E então, existe alguma forma de termos um maior controle sobre nossos dados? Nosso nome, nosso endereço, nosso e-mail, nosso número de telefone, as cópias dos nossos documentos...
Às vezes dá vontade de poder dar um "reset" em tudo isso - trocar de CPF, RG, email, número do telefone, endereço (esses últimos dá, mas é chato e corre-se o risco de pegar um pior), etc. e pegar tudo novo, de modo que os antigos não terão qualquer serventia para terceiros.
Obs.: a flair é discussão mas aproveitei para fazer um desabafo, também, como devem ter percebido.
Obs.2: esse texto tava pronto já há um mês mais ou menos, aproveitei esse caso da exposição dos dados de 120 milhões de brasileiros pra postar agora.
submitted by CaPeBaLo to brasil [link] [comments]


2017.11.13 21:35 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 2

Não esperava que a Parte 2 ia rolar tão cedo, mas tem atualizações aí. Para quem quiser, dessa vez tem um TL/DR no fim.
A parte 1 é essa aqui: https://www.reddit.com/brasil/comments/7c6tsx/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
PS.: escrevi isso aqui correndo assim que cheguei em casa, então provavelmente pode estar confuso ou com uns errinhos. Nem de perto foi tão trabalhado quanto o conto que eu fiz da primeira parte. Me desculpem de antemão.
Tive uns dos finais de semana mais atípicos dos últimos anos. Acho que nunca viajei tanto em memórias e dúvidas. Será que realmente rolava alguma coisa? Aliás, será que foi ela mesmo que eu vi na rua? Ela aprecia tão mais velha que talvez sequer fosse a mesma pessoa. E cá estava eu viajando porque uma pessoa aleatória me morou na rua e eu a confundi com alguém que não vejo há doze anos.
Ainda assim, embarquei na onda da nostalgia. Escutei os CDs do Linkin Park, System of a Down, Evanescence e Radiohead que a gente ouvia na época, baixei alguns jogos que eu jogava na época (Xenosaga, Burnout e alguns outros) e coloquei no PS2 que eu achei por um preço ridículo numa feira de rua. Assisti Anjos da Noite e Oldboy, dois que eu lembro de ver naqueles tempos. Domingo eu estiquei a ida à feira e fui até o curso de inglês que frequentávamos juntos, refiz o caminho de lá até casa onde os pais dela moravam. Antes que perguntem, não, eles não moram mais lá. Sei disso porque a casa apareceu à venda há muito tempo.
Foi um fim de semana agridoce. A esposa me achou meio para baixo, eu revirei horas no travesseiro antes de conseguir dormir. Segunda de manhã, indo para o trabalho, eu já estava mais sossegado. Cheguei à conclusão que havia uma enorme possibilidade daquilo tudo ser um baita mal entendido, que aquela mulher sequer era ela. E que eu provavelmente jamais a encontraria na minha vida. E me preocupar com algo tão inatingível era sem propósito algum. O fato de eu ter tentado encontrá-la no Facebook por horas sem sucesso só reforçava isso.
Eu conhecia apenas um dos seus sobrenomes, mas ela não aparecia de forma alguma. Tentei com sobrenome aleatórios algumas boas 20 vezes, devo ter aberto mais de 200 perfis. Nada. Nem sinal.
Mas eu queria falar com alguém sobre aquela história, então decidi me abrir com um amigo do trabalho que é bem gente fina e em quem confio. Passei o almoço contando a história e depois ficamos uns 40 minutos discutindo o assunto. A conclusão dele foi a mesma da galera daqui: "Caralho, como você não falou com ela? Dava um oi, chamava pra conversar".
Falei para ele também que estava começando a duvidar de mim mesmo. Ela estava com uma aparência tão mais velha e nós temos a mesma idade, eu dizia. "Cara, classe média baixa, dois filhos com 20 e poucos anos, voce nem sabe se ela é casada ainda ou não. Às vezes virou mãe solteira e está numa luta fodida".
Quando voltamos para o trabalho, fiz mais uma rodada de pesquisa no Facebook. Talvez fosse uma memória embasada do passado, talvez fosse só uma coincidência, mas eu cismei com o sobrenome Ferreira. Não era o sobrenome que eu sabia com certeza, só um chute que ficava martelando a minha cabeça. Parte de mim dizia que era confusão. Eu tinha uma amiga com o mesmo nome dela é Ferreira no sobrenome, provavelmente estava só confundido as coisas.
Nesse processo, aprendi que o Facebook te dá resultado diferentes para a mesma pesquisa quando você a faz de tempos em tempos. E logo depois desse desabafo, como se falar em voz alta fizesse ela se materializar, ela apareceu. O mesmo rosto de 12 anos atrás, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. Minha mão tremeu no computador, levantei para pegar um café é uma água. Respirei fundo, e voltei para ver o resultado.
No começo, senti um misto de alívio e decepção. Ela parecia exatamente como 12 anos atrás, então não era possível que aquela mulher que encontrei na semana passada fosse ela. Abri o perfil e comecei a ver as fotos, os filhos, a pouca vida dela que aquela janela mostrava. Quando abri uma foto mais recente da linha do tempo, a verdade voltou com um soco no estômago: eu realmente a encontrara. A foto de perfil era antiga, mas as mais recentes não deixavam espaço para dúvidas. Eu tinha esbarrado com ela.
Chamei meu colega de trabalho para tomar um café e mostrei as fotos no celular. "Se você não me dissesse que ela tem a mesma idade que a gente, eu nunca ia acreditar em você. Ela parece uns dez anos mais velha, mas era a menina bonita antigamente". E fez a pergunta que eu já estava fazendo mentalmente. "Porra, uma porrada de foto com a família e os filhos, mas e o pai?".
A resposta eu encontrei na lista de amigos dela. Percebi que tinha amigos em comum com outra pessoa da família que tinha o mesmo sobrenome, um amigo farmacêutico que começara a trabalhar em uma farmácia perto do ligar onde trabalho. Era perfeito. Liguei para ele dizendo que queria trocar uma ideia, mas ele tinha acabado de ser transferido para outra unidade da rede para cobrir uma unidade. Com um fogo no cu absurdo, larguei o foda-se no trabalho, peguei um Uber e fui para lá.
No caminho, eu já não sabia bem o que estava fazendo. Eu ficava vendo e revendo aquelas fotos no celular no caminho, lembrando mais e mais dela. É engraçado lembrar de uma pessoa com quem você teve um relacionamento tão profundo e tão curto há tanto tempo. Às vezes eu não sabia bem se eu estava lembrando de alguma coisa ou se eu estava fantasiando, se estava extrapolando algumas memórias.
Fuçando o Facebook dela - curtidas, comentários, gostos, fotos - eu via que ela era exatamente o que eu imaginava. Uma pessoa extremamente simples, de família de classe média baixa, com um estilo de vida simples, bem família e discreta. Os filhos pareciam ser o primeiro lugar em tudo.
Encontrei meu amigo por volta das 16h e subi para a sobreloja da farmácia. Ele vivia falando que o trabalho dele era um marasmo absurdo e tudo que ele fazia quase o dia inteiro era ficar no segundo andar jogando 3DS e como ele estava prestes a comprar um Switch só por conta disso. "Queria ter esses problemas no meu trabalho", brinquei.
Esse meu amigo não é super próximo, mas nos conhecemos há uns 15 anos e crescemos na mesma vizinhança. Apesar de não ser o tipo de pessoa para quem eu desabafo, é alguém em quem eu confio demais. Contei para ele a história toda. "Porra, mas achei que você e XXXX fossem felizes. Vocês têm uma vida tão tranquila". A gente é, eu expliquei. Na verdade eu sou feliz para caralho com a minha vida conjugal, "mas essa ogiva nuclear me fodeu completamente. Pelo menos nesse fim de semana".
É aqui que a história dá uma guinada um pouco para pior. Meu amigo farmacêutico é o tipo de cara que está a cada semana com uma mulher diferente. Os namoros nunca duravam muito. Ele é pintoso e gente fina, então é o tipo de cara para quem chove mulher. E uma dessas mulheres era prima dela, uma mulher com quem ele saiu até por bastante tempo (quase seis meses) dentro dos parâmetros dele.
Ele não lembrava os detalhes, mas ela ficou "falada" na família por conta da crise no casamento. Casou nova, passou para um concurso público que pagava bem mal, mas pelo menos era um emprego garantido, e teve um filho logo no primeiro ano do casamento. No começo, parecia conto de fadas: os dois colegas de escola casam, passam em concursos públicos diferentes (naquele boom de concursos que rolou entre 2005~2010) e têm dois filhos bem rápido. Aos 22 anos, eles já tinham a vida "feita" para alguns padrões.
Mas isso não durou muito. Meu amigo farmacêutico não sabia dos detalhes, obviamente, mas o cara se arrependeu de ter casado tão cedo. Ela largou a faculdade para se dedicar aos filhos. Ainda assim, faltava tempo para cuidar dos dois. Ela largou o emprego público também para se dedicar às crianças e virou dona de casa em tempo integral.
"Ela passou em um concurso público de primeira, eles achavam que ia ser fácil entrar em órgão público mais tarde, quando as crianças estivessem maiores". Burrice do caralho, pensei. A procura por concurso público cresceu vertiginosamente e as vagas minguaram. Agora até os concursos mais bundas tinham altíssima concorrência.
Aparentemente, boa parte da família foi contra. A gente está falando de uma família de classe média baixa de um subúrbio bem quebrado. Para eles, aquela vaga no emprego público era a garantia de que ela teria estabilidade para a vida toda. Ela insistia que o marido tinha um emprego melhor e que eles economizariam tendo ela como dona de casa.
Passaram algum tempo juntos dessa forma, mas o cara ficou de saco cheio. Meu amigo não sabe se chegou a acontecer traição ou não, mas ele enjoou daquela vida. Achava que tinha casado muito cedo, que não tinha aproveitado a vida. Que os dois se precipitaram, que ele não tinha vivido. Que ele não queria ficar preso naquela vida desde tão cedo.
E meteu o pé.
Na família, segundo meu amigo, rolava um misto de pena e revolta com a menina pelas decisões dela. No final das contas, ela voltou para a casa dos pais, entrou em depressão e passou a viver em função dos filhos. Ela não conseguiu terminar a faculdade e jamais a reatou por causa deles também.
Caralho.
No caminho para casa, eu fiquei pensando o quanto aquilo era triste e curioso. Triste por razões óbvias. Curioso porque ela viveu o meu sonho. Sei que pode parecer besteira, mas meu sonho sempre foi casar e ter filhos cedo. Eu nunca fui um cara muito da pegação - até porque, como já disse aí, sempre tive a auto-estima muito baixa - e sempre quis ter uma família, meu sonho sempre foi ter filhos. E eu queria curtir os meus filhos o máximo que pudesse. Imagina você com 32 e um filho de 10 anos? Quanta coisa gostosa você não ia poder compartilhar, viver junto? Acho que o passar do tempo torna o abismo entre as gerações cada vez maior, o que dificulta essa aproximação entre pais e filhos. Em tempo, é só uma opinião pessoal. Não tenho filho, então não tenho muita voz nisso e posso estar redondamente enganado.
Ela viveu o meu sonho, mas tudo deu radicalmente errado. Hoje eu entendo como deve ser problemático casar cedo. Eu casei com 26, o que muita gente já chamaria de cedo hoje em dia. Mas caralho, casar aos 20? Eu precisaria ter certeza absoluta de que estava com uma ótima pessoa ao meu lado, mas é difícil a gente chegar a essa conclusão tão cedo. A maioria das garotas com quem saí entre meus 18~22 anos jamais estariam na minha lista de possíveis esposas hoje em dia. Algumas são minhas amigas até hoje, mas a grande maioria ganhou pensamentos e posições que vão contra quase tudo que eu acredito.
Tentei imaginar a vida dela agora. 32 anos, dois filhos, divorciada, sem faculdade e depois de largar um emprego público, morando na casa dos pais. Os posts e fotos dela no Facebook tem um quê de agridoce. Parece haver um amor incondicional pelos filhos e pelo desenvolvimento deles. Mas ao mesmo tempo parece haver uma triste por não ter aproveitado a vida. Encontrei até um post antigo em que ela nunca tinha andado de avião e sonhava em conhecer a Europa, postava fotos dos lugares que gostaria de viajar, lia livros sobre eles.
Eu sei que isso pode soar paternalista, mas tudo isso me pesava muito o coração. Me dava vontade de ir lá, de mudar a vida dela, de levá-la para Paris, Roma, Praga, Porto, as poucas cidades que visitei nas vezes em que fui para lá. Me dá vontade de correr para encontrá-la, abraçar, ficar com ela, conversar, qualquer merda.
Mas aí eu caio na realidade. Cá estou eu, casado, relativamente estabelecido, vivendo super de boa até sexta-feira. E se eu puxar uma conversa no Facebook para encontrá-la, chamar para um café pelos velhos tempos e falar que fiquei sem jeito de puxar papo com ela quando a vi na praça sexta-feira? O que eu vou dizer?
Depois de explicar porque saí do curso daquele jeito, 12 anos atrás, vou falar que era completamente apaixonado por era e que estava me sentindo feito um adolescente agora? Será que não vou adicionar mais um arrependimento para a lista dela, partindo do princípio que ela talvez também sentisse algo por mim à época? E se não sentia, de que isso serviria?
E não sei as consequências que vê-la pessoalmente podem ter. Sim, ela parece bem mais velha e o tempo não foi bom com ela. Mas eu ainda a acho linda e sinto um aperto no coração idiota toda vez que olho para as fotos dela no Facebook. Eu tenho medo de aparecer, me mostrar como algum exemplo da felicidade e bom senso (sim, já escutei de amigos meus que tenho a vida "perfeita demais" por conta do meu bom senso em geral, apesar de eu achar que tenho uma vida ok, só pautada pelo "pensar antes de fazer") que apenas acentue as más escolhas dela. Eu tenho medo de não aguentar e fazer merda, de estragar um casamento que vai bem para caralho.
Ela está aqui, a um clique de distância, e não sei o que fazer. Nem se devo fazer alguma coisa.
TL/DR: achei a menina no Facebook depois de chutar dezenas de sobrenomes diferentes. Ela está divorciada, largou um emprego público e parece estar numa fossa fodida. Eu não sei se devo fazer alguma coisa ou deixar esse feeling morrer e continuar vivendo deixando esse fuck up de ter sumido da vida da menina para trás.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]